Sobre ser agradecido

lu

Letizia conhecia uma infinidade de projetos sociais. Sabia de muita gente que ajudava por prazer, outros que eram ajudados e realmente precisavam. Mas, deparar-se com finais de projetos por falta de comprometimento dos participantes era algo novo.

Mais ou menos assim: você ganha (mas a instituição deve prestar contas ao município), assume um compromisso, procura crescer com um grupo incrível e …? Desiste. E não é um, são vários. O que incomodava Letizia era que a oportunidade de crescer e ser grande, ser forte, ter uma profissão já não agradava mais a alguns pais e filhos. Tinha a nítida sensação de que a tal da filantropia só serviria para dois extremos (sim, ela estava generalizando): de um lado pais que previam seus filhos num futuro melhor, mas que para isso não ensinavam o básico do comprometimento e, do outro, “presidentes estrelados” mais preocupados em aparecer do que ser.

Esse mundo corria solto pela cidade. Ela conhecia os dois lados e andava bem insatisfeita com o quadro que se pintava.

São muitos os recursos e as verbas que podem ser disponibilizados aos programas sociais e às instituições filantrópicas pelo município e pela iniciativa privada. Mas, desconfiava que o caminho não fosse sempre reto/ético. Era somente uma desconfiança, quando percebia que sempre as mesmas pessoas eram agraciadas. Não era uma verdade absoluta, daquelas que se comprovem, eram ruídos que se formavam no seu ouvido.

Ela não queria mais comportamentos assim: pais despreparados, que tiram o rumo da vida dos filhos por não persistirem no que é certo, entidades que escolhem como agir em benefício próprio…

Ah, essa Letizia… Semana passada reclamava das campanhas políticas, hoje reclama da falsa filantropia (ou da filantropia do aparecer).

Será que vai ser sempre assim?

Ela não considerava reclamações. Considerava que estava dando ao outro a oportunidade de pensar. Coisa rara nos dias de hoje…

Queria deixar claro, entre todas essas linhas, que a GRATIDÃO ainda era a melhor forma de pagamento. Projetos sociais só acontecerão se houver o comprometimento de todas as partes. Aparecendo ou não.

lurodape



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *