Conheça o trabalho de Cinthia Marcelle

Foto: Divulgação

Faz parte do ofício do artista editar o mundo, escolher uma parte dele para reproduzir, interpretar, questionar. A artista Cinthia Marcelle fez essa escolha para representar o Brasil na 57ª edição da Bienal de Veneza, na Itália. A mineira foi indicada por Jochen Volz, curador da 32ª Bienal de São Paulo (2016), como a única a ocupar o pavilhão do país – a última vez em que isso aconteceu foi em 2011, com Artur Barrio, português radicado no Brasil.

“Ocupar o pavilhão brasileiro é um ato de resistência diante do nosso atual contexto político. Ali eu poderei dar voz a um problema real que estamos vivendo, de golpe e boicote à democracia”, disse à ELLE.

Em Chão de Caça, instalação criada especialmente para o espaço de 240 m² e que pode ser vista até novembro, ela forrou com grades inclinadas o piso das duas galerias conectadas que compõem o pavilhão do Brasil.

“Com essa obra ela tira das galerias qualquer sensação de estabilidade, um efeito muito potente e implicitamente político”, explica o curador. Nos vãos estão encaixadas (e não fixas) pedras brancas do jardim do prédio. “O chão traz uma tensão ao espectador. É preciso estar atento onde se pisa”, diz a artista.

Também faz parte da composição uma serpente feita de corda e cadarço, além de estandartes de tecidos originalmente listrados, mas pintados de branco – “eu os chamo de floresta de sinais”. No espaço há ainda Nau, vídeo de 44 minutos feito em parceria com o cineasta mineiro Tiago Mata Machado.

Nele, vemos a imagem de dois telhados. “É uma espécie de rota de fuga e também um tipo de casco de navio, um bote. Nas palavras do Tiago, ‘o vídeo é como o naufrágio de uma ideia de nação’”, conta Cinthia, enfatizando o caráter político da obra, que recebeu uma menção honrosa na mostra italiana.

Essa capacidade de sintetizar um discurso em criações com poucos elementos visuais é uma marca da mineira de Belo Horizonte.

“Meu processo é muito caótico. Quando estou concebendo um trabalho, deixo tudo entrar, para só então começar a filtrar. Vou do caos para a ordem”, diz. Em uma exposição anterior à Bienal ela apresentou Educação pela Pedra (2016), peça comissionada para o MoMa PS1, em Nova York. No trabalho, Cinthia (que sempre estudou em escola pública), encaixa giz de lousa nas fissuras da parede de tijolos do espaço, criando a imagem de um caderno pautado.

No vídeo Cruzada (2011), lançado um ano após ela ter sido agraciada com o prêmio ucraniano Future Generation Art Prize, quatro bandinhas vestidas de diferentes cores se enfrentam e terminam misturadas, porém tocando a mesma melodia. Para essa obra ela demarcou duas estradas sobre um chão de terra com a ajuda de um trator.

Com seus trabalhos de grandes proporções, a criação solitária não costuma fazer parte do cotidiano dela. “O trabalho de arte é fruto do coletivo. O pavilhão foi marcado por muitas vozes e mais de 100 mãos.” Aos 43 anos, e vinda de um estado onde nasceram grandes representantes mulheres da arte brasileira, como Lygia Clark e Rosângela Rennó, Cinthia segue marcando presença nas artes plásticas. “Como mulher, estamos sempre reinventando nosso lugar. Na arte, reinventamos o lugar das coisas.”

Fonte: ELLE

Related Posts

Destinos coloridos para suas fotos

Destinos coloridos para suas fotos

Se você está buscando inspiração para as férias, por que não injetar um pouco de cor na sua próxima viagem? A Booking.com, líder mundial em conectar viajantes com os lugares mais incríveis para se hospedar, traz alguns dos destinos mais coloridos do mundo para inspirar […]

Viagem profissional pelo mundo

Viagem profissional pelo mundo

Collette e Scott Stohler têm uma carreira aparentemente de sonhos como influenciadores digitais e se beneficiam de desejo de empresas e marcas por poder de influenciadores nas mídias sociais. Os Stohler ganham cerca de U$$ 200 mil por ano para viajar pelo mundo, mas garantem […]



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *